Imprimir
Categoria: (In)Formação
Visualizações: 300
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 


equipe reflexo seu lider.jpg

Ora, aqui está o segredo da liderança:

Há um mercado inteiro que se tem dedicado a “fazer” com que chefes se transformem em líderes. Mas talvez precisemos de um mercado que “faça” bons chefes para os funcionários.

Isto não significa negar o poder de uma boa liderança. Mas um novo estudo sobre a competência e o bem-estar do trabalhador deixa bem claro o que os funcionários realmente querem dos seus chefes.

E a única coisa que poderia tornar os funcionários mais felizes e produtivos no trabalho é a certeza de que os seus chefes, quando necessário, “arregaçam as mangas” e trabalham.

540x293 20141220 b1f075476a27abe818f33e473e21db52 jpg

Recentemente, pesquisadores da Universidade de Wisconsin e da Universidade Warwick examinaram dados a partir do estudo de mais de seis mil trabalhadores americanos em amostras aleatórias.

Os pesquisadores perguntaram aos funcionários o quanto eles gostavam dos seus trabalhos, e as respostas deveriam ir de 1 a 4 pontos, indo de “eu não gosto nada dele”, até “eu gosto muito dele”.

Os trabalhadores também foram questionados acerca do seu chefe; isto é, se por algum motivo, poderiam realizar o trabalho deles.

Ter um chefe que poderia realizar o trabalho desses trabalhadores foi o suficiente para aumentar, significativamente, a satisfação no trabalho dos funcionários e, consequentemente, a produzirem mais.

540x293 20141220 678f875594a7f165d829a820e8beeed8 jpg

Os funcionários apreciam ter muito mais do que um supervisor para orientar os seus trabalhos.

O simples facto do supervisor ser tecnicamente competente está diretamente associado a quadruplicar o nível de satisfação no trabalho!

Alguns empreendedores têm vantagem aqui. Muitas empresas de serviços acabam por contratar o seu primeiro funcionário porque o fundador faz tudo sozinho, mas chega um momento em que “não dá mais conta do recado”.

Os investidores, empreendedores, académicos e outros especialistas dizem que, se queremos inovar, temos que aprender a não falhar cedo demais.

Mas será que estamos prontos para nos colocar à frente dos nossos funcionários e fazer o trabalho que precisa de ser feito? Ou, eventualmente, aprender a fazer o que eles fazem?

A pesquisa sugere que é isso que deveríamos fazer.

[Este meu artigo é uma mera adaptação da Obra “The Overlooked, Completely Obvious Secret to Being a Good Boss”]